Qual equipamento escolher para o kitefoil ?

O Kitefoil é uma modalidade que tem crescido rapidamente, muitos velejadores têm vontade de experimentar a sensação de flutuar sobre a água, e com isto, a indústria de equipamentos para o Kitefoil tem investido em pesquisas e desenvolvimento para deixar o velejador com várias opções. Falar da escolha do equipamento de kitefoil está diretamente ligado ao seu objetivo, que pode ser apenas velejar flutuando, fazer manobras tranquilas com alguns jibes e 360, velejar com velocidade, tanto no popa como no contravento, enfim, vamos descrever algumas combinações mais usadas e preferências. Resolvi escrever dois artigos no formato de perguntas e respostas, a fim de ajuda-los na decisão, este é a parte 1.

Kite Foil ou Tubular?

O mais comum quando se inicia no kitefoil é usar as kites que você já tem, ou seja, as tubulares, assim não é preciso investir em novos kites, será? A prática diz que não é bem assim, todos começamos desta forma, usando os kites muitas vezes erradas, já vi gente usando kites de ondas ou estilo livre no kitefoil, o que muitas vezes é o suficiente apenas para começar.

Como toda modalidade existente, há o equipamento correto para tirar o máximo proveito. Nos kites, para tirar o máximo da janela do vento são aquelas em que você consegue orçar no limite da janela, de forma que a vela fique posicionada bem no limite, facilitando e muito a orça. É simples de perceber isto na prática, experimente orçar posicionando a vela no limite da janela, jogue mesmo o kite até onde ela não desarme, não passe do vento. O ideal é testar com vários tipos de kites, marcas e modelos. Ao pesquisar nos fabricantes quais kites são indicados para o kitefoil, observe as que tem na descrição alto “aspect ratio”, “high performance race speed” ou simplesmente “Foil”. Por outro lado, se você quer apenas se divertir de kitefoil, dar uns 360, 720, jibes e arribar sem velocidade, pode usar um kite de estilo livre, é o suficiente para mantê-lo no ar e com controle.

Os kites tubulares, como você já sabe, requer encher com bomba ou compressor todos os tubos, as 3 ou 5 talas, a grande maioria tem o sistema de uma válvula apenas, o que facilita tudo. A desvantagem é que requer carregar sempre uma bomba contigo, principalmente nas viagens. A vantagem é que você pode decolar em vários lugares difíceis, inclusive na água quando cair por algum motivo. Veja alguns exemplos de kites tubulares para kitefoil:

Fonte: https://ozonekites.com/products/water-kites/edge-v9/

Já os kites Foil são indicadas para quem quer tirar o máximo proveito da velocidade, do controle do equipamento, do conforto ao velejar e estabilidade em diversas condições de vento, visto que todos os competidores do mundial usam kites Foil. A primeira vista, você deve se perguntar como que ela infla se não há tubos? Estes kites contêm células no interior que recebem o vento através de pontos chave no bordo de ataque, traduzindo, são pequenas aberturas onde o vento entra e se distribui em todas as células. Dependendo do tamanho do kite, podem ter de 14 a 21 células, e acredite, este processo de inflar é muito rápido, basta posicionar a vela na direção do vento e ao iniciar o processo, não passa de 2 minutos. A vantagem é que você já vai levantando a vela conforme ela infla, ou seja, você é que controla o quanto quer inflar em determinado tempo. É normal levantar um kite Foil às 12 horas com 50% cheia, o que deixa as pontas abaixadas, visualmente é fácil de perceber, o que indico em dias de ventos mais fortes. Em seguida, basta puxar as linhas de fora da barra para que ela abra as pontas, mais conhecido como dar uma marcha à ré no kite. Este procedimento é usado na maioria das vezes que deseja aterrissar o kite, mas é preciso saber fazer isto.

Fonte: Células internas da vela – https://ozonekites.com/products/water-kites/r1-v2/

Outro aspecto é a quantidade de linhas dispostas nestes kites Foils, em princípio parece um emaranhado de linhas onde se localizam os cabrestos (bridles lines) com as roldanas, mas quando esticado é fácil de perceber o funcionamento. A própria disposição das linhas conectadas ao kite já nos faz pensar no conforto do velejo, ou seja, há muitas linhas para amortecer as rajadas que são sentidas fortemente nos kites tubulares. Uma dica fundamental no manuseio das linhas do kite é na hora de guardar, nunca, jamais embole os lados, senão quando for montar novamente, o trabalho será dobrado. Todo kite Foil tem uma forma correta de plugar as extremidades das pontas das linhas no kite através de um velcro, assim, toda vez que for monta-la, basta esticar estas pontas, e num passe de mágica o bolo é desfeito.

 

O tecido também é feito de material ultra leve e resistente, lembre-se que são 2 camadas com as células internas. Isto facilita o transporte, e o principal, a redecolagem quando cai na água. Aliás, a pergunta mais comum que nos fazem é: E se cair na água, dá pra decolar ou acabou o velejo? Via de regra, sim, você consegue decolar facilmente, desde que tenha vento e que você não demore muito, pois se a água tomar conta do tecido, dificilmente conseguirá. Mas, ao cair estas velas enrolam toda, e aí? Então, a questão é que devido à quantidade de linhas conectadas ao kite, da mesma forma que ao bater um vento ela vai se armar na posição rapidamente, você deve puxar as linhas de fora da barra para que o kite vire 180 graus, se necessário, e decole. A experiência diz que 95% das vezes você consegue sucesso, exceto casos de acabar o vento. Por isto tudo é que o material tem que ser ultra leve. E se entrar um pouco de água, o que acontece? Estes kites Foils tem drenagens nas 2 pontas laterais para sair a água que está entre as células, o que muitas vezes ocorre rapidamente.

Quando me referi a tirar o máximo proveito da velocidade, é que estes kites Foils foram desenhadas para tal, principalmente na orça, parece que ela entra e gruda no limite da janela, você pode posiciona-la no limite que ela estabiliza sem nenhuma dificuldade. E, no popa, aí sim, quando você precisa da máxima potência de velocidade, este kite te dá segurança e conforto. Como eu disse anteriormente, os trancos, entendam-se rajadas, nestes kites a absorção é mais lenta que nos kites tubulares.

Já no que diz respeito ao conforto ao velejar e a estabilidade, está diretamente relacionada ao tamanho da linha da barra e ao modelo de barra (Race) usada, tópicos estes que abordarei em seguida. De qualquer forma, os kites Foils são mais lentas que as tubulares ao manuseá-las, um kiteloop, uma decolagem, tudo ocorre mais lentamente dando tempo de pensar, você se acostuma rapidamente. A primeira experiência é quando você está posicionado para iniciar o velejo, aquela hora que está deitado de costas na água, com os pés nas alças e a vela às 12 horas. Na hora que você desce o kite para te levantar da água, nas tubulares basta puxar um dos lados da barra que a vela desce rapidamente e te levanta. Nos kites Foils isto ocorre da mesma forma, só que mais lentamente, e nem sempre é preciso descer muito o kite, basta um pouco que ela te levanta facilmente.

Fonte: www.kitefoilgoldcup.com

Barra de Race ou comum?

Sem dúvida nenhuma, barra de Race em todas as condições para o Kitefoil. A barra de Race permite uma faixa de regulagem enorme em relação as barras comuns, visto que no Hydrofoil você precisa tirar o máximo proveito da velocidade e do vento. Estas barras tem um cabo para cassar ou soltar as linhas centrais da barra com um comprimento grande, cerca de 80cm, claro que vc pode regular o quanto deseja, basta dar o nó onde quiser. Isto faz com que no popa, por exemplo, você deve soltar todo o cabo até o nó de travamento para que o kite pegue o máximo de vento. Por outro lado, ao orçar ou no través, você deve cassar o quanto for preciso, de acordo com o tamanho do kite e a força do vento. Para controlar o kite, se tiver muito vento casse a barra, se tiver pouco vento e quiser permanecer na orça, solte um pouco o cabo, o controle é todo seu.

Já vi muitos velejadores de Hydrofoil reclamando da velocidade no popa, que não teve coragem de abaixar o kite, sendo que a barra estava toda solta, deixando a vela na posição alta. Ou ainda, estava no través e tive que deixar o kite alto porque estava me jogando pra frente? E eu respondo, use uma barra de Race, pois as regulagens irão te favorecer. Portanto, se você nunca velejou com uma barra de Race, faça um teste, experimente e se apaixone.

Fonte: https://ozonekites.com/products/water-kites/r1-v2/#control-system

 

Tamanho do kite x tamanho de linha?

Este é um tópico polêmico, que só fará diferença em situações de velocidade e controle. Como exemplo, vamos pensar que você está velejando com um kite Foil, tamanho 17 metros, barra de Race com linha de 23 metros, vento de 12 knots. Nesta mesma configuração, vamos mudar apenas o comprimento das linhas para 17 metros, o que significa? O resultado é mais controle, até um certo limite, quanto menor a linha mais controle você terá, quanto maior a linha, ganhará velocidade no popa e perderá na orça. Isto é simples de notar se você imaginar a faixa de alcance da área entre o kite e a barra.

Quando digo que existe um limite para o tamanho de linha, não adianta usar uma linha de 10 metros num kite de 17 ou 19 metros, não faz sentido. E, dependendo da sua habilidade nas manobras, jibes e cambadas, uma linha pequena não há limites para erros, o que muitas vezes o kite encosta na água no jibe. Enfim, isto é uma questão pessoal e vale para cada situação de velejo e objetivo. Via de regra, os velejadores usam kite 19 com linha 19, vela 17 com linha 17, vela 15 com linha 15 ou 17, vela 13 com linha 13 ou 15. No entanto, no mundo das competições, os velejadores têm usado linhas menores, por exemplo, kite 17 com linha 12, vela 13 com linha 10.

É comum encontrar velejadores com kites tubulares de 12 metros com linha de 21-24 metros, e eu com o kite Foil 17 metros, linha de 17 metros e barra de Race. Ou ainda, kites tubulares de 9 metros num vento forte e outro com kite Foil de 13 metros, linha com 13-15 metros e barra de Race. Acredite, o conforto e a faixa de ajustes dos kites Foils são suportáveis em várias condições. Nestas configurações citadas, quem você acha que anda mais e com conforto?

 

Trapézio de cadeira ou cintura?

A escolha do trapézio também fará a diferença se o seu objetivo é competir, se dedicar à performance. Se você quer apenas velejar de Hydrofoil, pode usar o trapézio de cintura, serve igual. A questão é o ponto de equilíbrio, a alavanca, a tração a ser feita ou suportada numa rajada, se o apoio está na cintura você conseguirá suportar com mais facilidade. Vamos a um exemplo, se você estiver de través ou orçando e pegar uma rajada, o normal é o vento exercer mais pressão no kite, empurrando assim o seu corpo pra frente, correto? Agora, experimente neste momento sentar, isso mesmo, jogue o peso do corpo para baixo, perceba que o apoio de cadeira é mais fácil de suportar que na cintura, ou seja, o trapézio de cadeira te ajuda neste controle, você aguenta esta pressão facilmente, o que na cintura nem sempre ocorre.

Fonte: Trapézio de cadeira – www.kitefoilgoldcup.com

Espero que com estas dicas de equipamentos você consiga iniciar no kitefoil, ou ainda, experimentar outras combinações de pranchas, Foil, kites, tamanhos de linhas e tipos de barras a fim de evoluir sempre. O importante no Kitefoil é ir pra água com os amigos, se divertir, aprender com outros e ensinar, compartilhar o conhecimento com seus amigos, fazerem as regatas, downwinds, travessias, treinarem juntos, enfim, velejar e ter boas aventuras e lembranças para contarem.

 

Renato Haddad é velejador de Hydrofoil, Sup, Canoa havaiana e Bike


Insta: renatokite
Email: rehaddad@msn.com

 

Comentários